Guerra dos Tronos de Altonia - Myrcella e Cerberus (Encerrado)

Ir em baixo

Guerra dos Tronos de Altonia - Myrcella e Cerberus (Encerrado)

Mensagem por Admin em Sex Jan 16, 2015 3:44 pm

[Resumo: Um espião de Korhaus é capturado em Allagrite em posse do documento contendo os termos da aliança entre Allagrite e Porto. Myrcella Baratheon viaja até Espennia onde se casará com Thomas Espenniard, o herdeiro da coroa. Locust é convidado ao casamento e decide levar Cerberus com ele. Os dois esperam, na festa, descobrir mais sobre o espião de Korhaus e qual é a participação de Espennia nisso.]




Narrador

Myrcella

Thomas ficou muito feliz que Myrcella aceitou seu convite. Ele segurou a mão dela e desceram a escadaria da biblioteca, passando rapidamente pela recepção. Thomas apenas acenou ao escudeiro Jameson, que ainda aguardava ali, dizendo. Não nos espere para o jantar, Jameson!

Subiram em uma carruagem que já estava aguardando Thomas e percorreram as ruas da cidade. Espennia era um lugar fascinante. Habitantes bem vestidos e educados, jardins bem cuidados e ruas organizadas. Devia haver o lado ruim da cidade, mas Myrcella não o conheceria se dependesse de Thomas. Pararam para comer uma especiaria em uma cantina nas mesas do lado de fora. Depois, assistiram parte de uma peça de teatro de rua e por fim jantaram na cobertura de um restaurante luxuoso, tendo visão de toda a cidade.

Conversaram sobre os livros que gostavam e sobre si mesmos durante o dia e descobriram que tinham muitas coisas em comum. Ao final do dia, a carruagem os levou de volta ao castelo principal, onde Thomas acompanhou Myrcella até a porta de seu aposento e disse.

Myrcella, você é um sonho que se realiza. Tenho muita sorte de nossos destinos terem se cruzado. Amanhã conhecerá meus pais e todas as outras pessoas importantes de Espennia, mas o principal é que esteja feliz e bem. Isso é tudo que quero. Durma bem, meu amor, pois amanhã é o começo de um capítulo que escreveremos juntos.

-------------

Cerberus

Novidades iriam até Cerberus mais cedo do que ele imaginava. Apenas dois dias depois da conversa inicial, um soldado foi até o aposento do regente de Porto informar que Locust requisitava sua presença. Uma vez na sala do trono, Cerberus viu o regente com um papel na mão. Ele disse.

Saudações, Lorde Cerberus. Eu lhe disse que ia entrar em contato com Lorde Espenniard para marcarmos uma reunião, mas talvez tenhamos uma oportunidade ainda melhor. Veja isto. Locust passou o papel para ele. Era um convite de casamento e os noivos eram Thomas Espenniard e Myrcella Baratheon. Locust caminhou pela sala, falando.

Thomas é o filho de Arton Espenniard e o herdeiro da coroa de Espennia. Não conheço esta casa Baratheon mas, a julgar pela rapidez com que isto foi arranjado, eu diria que é um casamento planejado. O convite diz que é permitido levar pessoas de minha corte e é por isso que eu o levarei. O que acha? Não pensa ser oportuno pressionar Lorde Espenniard em um momento onde ele não possa escapar?


Última edição por Admin em Seg Fev 09, 2015 1:00 pm, editado 3 vez(es)
avatar
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 407
Data de inscrição : 13/01/2014

Ver perfil do usuário http://novaordemrenegada.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerra dos Tronos de Altonia - Myrcella e Cerberus (Encerrado)

Mensagem por Admin em Qui Fev 05, 2015 8:35 pm


Cerberus:
Cerberus chegaria tão logo pudesse, não tinha saído do castelo muitas vezes, para não gerar desconfianças, pemanecia em seus aposentos em longas conversas com Nagariat, além de pensar a respeito de seus planos. Argan, ao contrário, já se encontrava em Espennia, assim que chegara iria buscar informações acerca de histórias e pessoas do local, tudo seria muito bem vindo naquele momento.

Na sala do trono Cerberus se aproximara de Locust.

- Milorde Locust!

Anunciou ao entrar.

- Bem, ao que parece a sorte está do nosso lado, jamais imaginei que seria tão rápido. Será uma excelente oportunidade para que possamos conversar um pouco com o Lorde Espenniard, ou quem sabe também com o futuro herdeiro. Além de que é um bom sinal que Milorde esteja sendo convidado, isso já indica uma provavel ignorancia aos fatos de Korhaus.

Myrcella Baratheon:
*Alegremente Myrcella acompanhava Thomas até a saída da biblioteca e acenava para Jameson antes de entrar na carruagem. A jovem princesa ficava fascinada com tudo que via pelo passeio e pelo dia maravilhoso que passavam juntos, conhecendo sua nova casa e seu futuro marido. Em alguns momentos ela o fitava em admiração, agradecendo aos deuses novos e velhos por uma união tão perfeita, pois Thomas era exatamente o homem dos seus sonhos.*

*Ao final daquele dia agitado e cheio de emoções, Myrcella sentia-se já à vontade com ele como se já se conhecessem há muitos anos. Apesar de estar cansada pela longa viagem até Espennia, o dia fora agitado e havia tanto para se ver e descobrir que apenas na viagem de volta ao castelo que ela se permitira tirar um pequeno cochilo, encostando a cabeça no ombro de Thomas. Quando chegavam, era acompanhada por ele até seus aposentos e sorria docemente, corando diante daquelas lindas palavras*

- Thomas.. eu estou tão feliz por estar aqui e com você.. É realmente muita sorte que possamos estar juntos! Mal posso esperar para amanhã, muito obrigada por este dia maravilhoso, meu querido! Boa noite..!

*Um pouco tímida, aproximava o rosto do dele e dava-lhe um beijo gentil de boa noite na bochecha, sorrindo antes de fechar a porta do quarto*

Narrador
Myrcella
Thomas não se contentaria apenas com o beijo no rosto de boa noite. Antes que Myrcella fechasse a porta do quarto, ele a segurou pela cintura e beijou-lhe os lábios com paixão. Em seguida a fitou, acariciando seu rosto. Peço desculpas, meu amor. Eu queria tanto ficar neste quarto com você, mas isto seria mal visto pela corte... Mas amanhã, depois da cerimônia, seremos um do outro, para sempre e em qualquer lugar. Boa noite, minha querida.

Despediu-se e só então afastou-se, indo para seu quarto que ficava no andar de cima. Myrcella não seria incomodada até a manhã do dia seguinte. As criadas esperariam Myrcella descer para o café da manhã e em seguida começariam os preparativos de seu vestido. Estavam trabalhando com um tempo muito curto, pois ela deveria estar pronta à noite, mas as mulheres eram habilidosas e o vestido cairia como uma luva no corpo esguio da noiva.

Thomas, naturalmente, era preparado em outro aposento e só se encontraria com ela na cerimônia. O transporte da família de Myrcella foi providenciado para que eles também pudessem prestigiar a festa. [ Descreva quem foi até lá, pode até interpretar membros da família Baratheon. ]

------------

Cerberus

Argan conheceria um pouco mais da história de Espennia ao perguntar e pesquisar na cidade. Ele descobriria que a Biblioteca de Espennia, considerada uma das maiores de todo o continente, foi fundada pela primeira família Espenniard, de onde saiu o nome da cidade. Gerações e gerações da família viajavam pelo mundo e traziam livros, tomos e pergaminhos de vários lugares diferentes, formando assim o acervo da biblioteca. Lendas locais diziam haver um tesouro no subsolo da biblioteca, mas nunca ninguém conseguiu confirmar isto.

Na sala do trono, Locust fez um afirmativo com a cabeça e respondeu à Cerberus. Sim. Ou apenas confirma o envolvimento deles na espionagem, pois isso pode ser uma jogada política. De qualquer forma, se eu fui convidado, tenho certeza de que a corte de Korhaus também estará lá. Poderemos observar a reação deles quanto às nossas indagações. Mas sejamos discretos, sim? A última coisa que queremos é estragar a festa de noivado do filho de Lorde Espenniard. Embora, se realmente estiverem envolvidos, eles merecem isso.

Locust voltou para perto de sua mesa, pegando o convite de volta. Encontre-me amanhã no primeiro andar ao entardecer, as carruagens já estarão prontas. Poderá levar seu escudeiro se desejar. Qual é mesmo o nome dele? Naga alguma coisa.

Cerberus:
Argan ouvia as informações e as processava com cuidado e ainda buscava mais, queria saber a vida política, sobre os desentendimentos e se recentemente escandalos ocorreram, a se tratar de uma cidade tão cheia de nobres, na certa segredos eram coisas que mais existiam por ali. Começaria, como de praxe pelos bares, afinal de contas não deveria levantar suspeitas à pessoas espertas demais, não que eles não frequentassem bares, mas era menos usado por tais arquetipos.

Enquanto isso, junto a Locust Cerberus pensava um pouco mais obre a situação em que se encontravam.

- Milorde, é certo que em Korhaus devem ter sentido falta de um de seus espiões, por isso acredito que Espennia se devesse saber já saberia do que ocorre pelas bandas de cá. No entanto, concordo que todo cuidado é pouco. A discrição é uma das virtudes que mais prezo, então não se preocupe.

Cerberus sorriria.

- Estarei lá com meu amigo, Nagariat. Peço que tome cuidado com os nomes de meus amigos, milorde Locust, eles são um tanto quanto sensíveis a esse tipo de tratamento.

Fez uma pausa solene.

- Estarei lá ao entardecer, mandarei que preparem minha carruagem, seguiremos em comitiva. Se me premitires, levarei ainda uma companheira que mandarei buscar em Porto.
avatar
Admin
Admin
Admin

Mensagens : 407
Data de inscrição : 13/01/2014

Ver perfil do usuário http://novaordemrenegada.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum